Domingo, 3 de Julho de 2011

Portugal nos Óscares

Se não se lembram de ter ouvido falar do nome de Portugal numa edição qualquer dos Óscares, não é porque estavam distraídos. É simplesmente porque tal nunca aconteceu. Portugal detém o recorde (empatado com o Egipto) do maior número de submissões de filmes à categoria de Melhor Filme Estrangeiro sem qualquer nomeação e provavelmente sem sequer constar nas short lists anteriores à divulgação dos cinco nomeados.

Ora este é um feito raríssimo na Europa, com poucos os países a nunca terem sido nomeados na categoria, conforme a imagem abaixo indica. (A verde escuro constam os países que já venceram pelo menos uma vez na categoria e a verde claro, os países que pelo menos obtiveram uma nomeação).


Portugal submete filmes desde 1980 e as suas 27 submissões nunca foram nomeadas. Dessas, nove filmes eram realizados por Manoel de Oliveira, provavelmente o cineasta português mais conhecido em todo o mundo. Contudo, mesmo assim os filmes submetidos nunca surtiram grande efeito junto dos membros da Academia. Qual será a razão? O gosto da Academia norte-americana é particularmente conservador, mais assente em dramas com histórias motivadoras, histórias de esperança ou chamadas de atenção com temáticas como do Holocausto. Basta olharmos por exemplo para as cinco últimas cerimónias onde os vencedores foram o dinamarquês In a Better World (um drama em mosaico, com tendência moralista e lições geopolíticas e conclusões sobre a amizade, família e tolerância), o argentino El Secreto de sus Ojos (uma história extremamente bem contada, uma espécie de regresso ao cinema clássico norte-americano com uma temática forte, mas que fala sobretudo do poder do amor), o japonês Departures (um filme inspirador, poético e delicado sobre a família, vida e morte, sucesso e comunidade), o austríaco The Counterfeiters (ambientado na II Guerra Mundial, sobre um falsificador de dinheiro condenado aos campos de concentração de Auschwitz) e o alemão The Lives of the Others (uma reflexão sobre a condição humana numa Alemanha fascista pós-queda do Muro de Berlim). Todas os pressupostos habituais estiveram envolvidos na produção destes filmes, daí que - gostos e qualidade à parte - é perfeitamente natural dentro dos parâmetros habituais da Academia, que estes tenham sido os vencedores.

Como funciona esta categoria? Uma cópia com legendas em inglês enviada por cada país para a Academia. Todos eles são mostrados a um comité especializado, constituído por trinta membros, incluindo dez membros nova-iorquinos, que em meados de Janeiro submete uma short list de nove filmes, que depois é reduzida a cinco nomeados. Apenas, esses cinco nomeados são mostrados a todos os membros da Academia norte-americana.

E Portugal? O que tem apresentado? Não discutimos a qualidade dos filme submetidos, mas sim o género. Habitualmente o ICA submete filmes de autor, com temáticas abstractas ou fortes, que não fazem o género da Academia (nem do público português), mesmo que tenham tido boa recepção na crítica especializada. Crítica essa que habitualmente não corresponde ao perfil da Academia. Então o que precisamos? Provavelmente de filmes portugueses que façam carreira comercial (e não apenas a nível de critica) nos Estados Unidos e que chamem a atenção da Academia a cada ano que passa. Precisamos de ganhar renome lá fora, como o caso de festivais internacionais - já tivemos recentemente uma Palma de Ouro para Melhor Curta-Metragem, um Leopardo d'Ouro no Festival de Locarno, o ano passado mais que um título português figurou em listas internacionais de melhores filmes do ano, entre outros.

Abrimos aqui o debate, o que é necessário para um filme português ser nomeado ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro?
publicado por Petição às 10:58
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Sam a 3 de Julho de 2011 às 11:39
Para um filme ser nomeado ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, julgo que precisa de ter (tal como é dito) apelo comercial. E lobby, muito lobby.

Cumps cinéfilos.
De Petição a 3 de Julho de 2011 às 11:46
Sim, Sam. Infelizmente tens razão, é necessário muito lobby. Contudo, acho que nos últimos dois anos a Academia tem-se aberto a outro cinema que não o habitual... se é por causa do lobby ou se é um verdadeiro sintoma de mudança, não sei...
De Pedro Ponte a 3 de Julho de 2011 às 12:40
Não há uma explicação lógica. Há muitos países com filmografias muito menos interessantes que a de Portugal e com "indústrias" tão ou menos inexistentes que já foram nomeados mais que uma vez.

Não faço, portanto, ideia do que será necessário. Já discuti isto tantas vezes que acho que os argumentos já se diluíram. Mas sim, a resposta mais óbvia será um filme não demasiado "artístico", que seja aclamado tanto cá como lá fora. E o José e Pilar é, de facto, esse filme. A questão é que não será o primeiro, muitos outros já reuniram esses critérios e não foram nomeados. Penso que para além disso é preciso mediatismo, hype, word-of-mouth e envolvimento de figuras conhecidas e respeitadas em Hollywood. Só assim.

Veremos.
De pnm a 11 de Julho de 2011 às 21:19
Portugal tem ligações com os Óscares

http://portugal-mundo.blogspot.com/search/label/Oscar%20%C2%AE

1-Lauro António quase conseguiu em 1981

http://portugal-mundo.blogspot.com/2008/02/manh-submersa-de-lauro-antnio-1980.html

2-Belle Epoque foi rodado parcialmente em Portugal

(etc)

Não sei se o facto ser documentário não será impeditivo de concorrer para a categoria. Penso que num dos últimos anos houve um ou outro filme estrangeiro em categorias de documentários!
De Petição a 12 de Julho de 2011 às 00:34
Antes de avançarmos com esta petição estudámos todas as alternativas e de facto as regras da Academia não impedem que um documentário concorra à categoria. http://joseepilaraososcares.blogs.sapo.pt/1922.html

E sim, em documentários costumam concorrer outras nacionalidades, como o ano passado com Lixo Extraordinário, mas para o «José e Pilar» poder ser elegível a essa categoria (e aí não há petição que valha) teria de estrear nos Estados Unidos até ao fim do ano.

Comentar post

Assine a petição

Petição

Esta página surge associada a uma petição pública que pretende sensibilizar o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) para a escolha do documentário “José e Pilar” como candidato português à categoria de Melhor Filme Estrangeiro, na edição dos Óscares de 2012. Este é um movimento independente, de fãs e admiradores do filme, que têm particular confiança e respeito pelo seu potencial, que se sente verdadeiramente comovido pela sua imensa força emocional, humanista, motivadora.

Siga-nos

Ligações

Arquivo

Janeiro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Pesquisa

subscrever feeds